Destaques

GRANDE ESTUDO SOBRE COBRANÇAS DE PÊNALTIS

10 anos de pesquisas revelaram números interessantes sobre cobradores, goleiros e contextos das cobranças
Compartilhe
  • 28
    Shares

O InStat, líder mundial em análises esportivas em todo o mundo, realizou um grande estudo sobre as cobranças de pênalti. De 2009 a 2018, quase 100.000 cobranças de pênaltis foram realizadas em todo o planeta: 75,49% resultaram em gols, 17,57% foram defendidas pelos goleiros, 4,07% foram pra fora e 2,87% acertaram as traves ou o travessão.

Analisando estes quase 100.000 pênaltis cobrados em mais de 1.000 torneios pelo mundo, chegaram a conclusões como:

– Laterais e meias abertos são os que mais têm cobranças defendidas
– Atacantes têm o melhor aproveitamento
– A 3ª cobrança nas alternadas é a de maior probabilidade de erro
– Capricornianos são os que mais erram
– Chapecoense é o melhor time brasileiro nos pênaltis

Segundo o vasto banco de dados da pesquisa, o “batedor perfeito” teria o seguinte perfil:

- Sexo: masculino
- Idade: 30 ou mais
- Posição: Meia-Atacante / Atacante
- Pé: Canhoto (e aqui cai um mito)
- Região do Planeta: Ásia
- Signo: Leão
- Contexto: cobrador regular / goleador da equipe

Veja outras conclusões das análises:

 

Sexo: homens são mais precisos que as mulheres

Eles marcaram 75,57% das penalidades, enquanto elas obtiveram 73,65% de aproveitamento. Portanto, 24,43% e 26,35% dos tiros foram perdidos, respectivamente. Além disso, os atletas masculinos são mais precisos não apenas em termos de acertos reais: seus chutes têm uma chance maior de ir em direção ao gol ou traves (95,97%): os homens chutam apenas 4,03% de seus tiros para fora. As atletas femininas erram a meta em 5,5% das vezes.

Idade: quanto mais experiente, melhor

De acordo com a análise estatística, os jogadores de 32 a 33 anos são os mais precisos – 77,13%. Além disso, os jogadores com pelo menos 30 anos de idade não acertam suas cobranças apenas em 24,86% das penalidades. Os atiradores menos confiáveis ​​são os jovens, entre 18 e 19 anos: a probabilidade de erro aumenta para 25,45%.

As coisas são bem diferentes em partidas internacionais. Se o pênalti ocorrer em partidas de seleções, chame um atleta de 28 a 29 anos para bater: 78,79% são suas chances de converter. O 2º melhor segmento etário é o dos jogadores de 30 a 31 anos – 78,71% de sucesso – seguidos por jogadores de 18 a 21 anos. Atletas mais jovens, quando são convocados para suas seleções nacionais, normalmente aproveitam essas oportunidades de forma eficiente. Vale ressaltar que a eficiência dos veteranos cai significativamente nos jogos da seleção: jogadores de 34 anos ou mais não marcam em quase 30% das penalidades (29,63% – 34-35 anos, 31,94% – 35+ anos).

Posição: Quanto mais perto o jogador estiver do gol adversário, maior o aproveitamento nas penalidades

Quase metade de todas as cobranças de pênaltis são feitas pelos meio-campistas – um total de 45.326 tentativas. Os atacantes têm uma parcela de 32.140 tiros, enquanto os defensores, juntamente com os goleiros, chutam em apenas 15% das vezes.

Os atacantes são melhores cobradores, convertendo quase 76% das tentativas. Eles são também os que menos chutam pra fora – 3,68% – e mandam cerca de 2,59% das tentativas para as traves ou travessão. Os atacantes são seguidos por um grande grupo: meio-campistas centrais, defensivos e abertos. Os meio-campistas mais abertos são os que mais têm seus chutes defendidos pelos goleiros – 18,20%.

Pé do chute: os canhotos têm uma ligeira vantagem sobre os destros – 0,36%

Os canhotos também possuem números de conversão um pouco melhores – 76,15% sobre 75,79%. Dada uma margem tão fina de diferença de eficiência, podemos inferir que o pé – esquerdo ou direito – não afeta realmente as chances de conversão do pênalti. Vale a pena mencionar que 73.000 dos 91.000 tiros que analisamos foram cobrados por jogadores com o pé direito.

Max Kruse, da Alemanha, que joga pelo Werder Bremen, é o mais certeiro. Ele ainda está perdendo só um pênalti em toda a sua carreira. A primeira penalidade do atacante ocorreu em 7 de abril de 2012: ele bateu mais 23 chutes perfeitos desde então.

Um finalizador tão mortal pode ser encontrado entre os destros também: Hamza Lahmar é um atleta tunisiano com 100% dos pênaltis convertidos. Ele joga no clube tunisiano de Etoile du Sahel. De dezembro de 2015 a setembro de 2018, tentou 21 chutes e não perdeu nenhum deles.

Grupo de nacionalidade: os asiáticos são os melhores – os norte-americanos, os piores

Se ignorarmos o fato de que a maioria dos jogadores asiáticos não atua em grandes ligas ao redor do mundo, o que significa que analisamos dados independentemente do poder da competição, a seguinte afirmação pode ser feita: atletas asiáticos são os mais confiáveis cobradores de pênaltis. A Europa perde por um fio – 0,24%.

Falando de ligas asiáticas, a japonesa J1 League e a chinesa Superleague estão entre as 4 melhores do mundo em termos de penalidades nos campeonatos nacionais. O torneio japonês lidera as estatísticas com taxa de conversão de 80,99%, enquanto a liga chinesa fica em 4º na lista com um número de 78,60%. Suíça (80,45%) e Polônia (78,60%) são segundo e terceiro, respectivamente.

Zodíaco: Leoninos são os mais confiáveis – não se pode confiar em capricornianos

Robert Lewandowski é um dos melhores batedores de pênaltis da história do futebol mundial: 49 tentativas, 46 gols. Quando essa pesquisa foi encerrada, estava com 31 penalidades convertidas consecutivas. O atacante polonês nasceu em 21 de agosto de 1988: leonino. Esse fato valida nossa tese estatística: leoninos são os batedores de pênaltis mais confiáveis.

Entre 23 de julho e 21 de agosto nasceram alguns jogadores mais notáveis: Harry Kane, Hulk, Daniele de Rossi e Artyom Dzyuba. Todos esses atletas são cobradores de qualidade. Luka Modric e Jerome Boateng são virginianos, enquanto Antoine Griezmann, juntamente com Luis Adriano e Sergio Ramos são de Áries.

Experiência: a repetição leva à perfeição

Quanto mais um jogador bate pênaltis, melhor é sua taxa de conversão. Um cobrador regular é aquele que bate 75% dos pênaltis do time.

Esse jogador converte 77,29% do pênaltis. Vale ressaltar que os jogadores que têm experiência de cobranças regulares em seus clubes também são os de melhores aproveitamentos nos jogos de suas seleções: convertem 78,13% das oportunidades para seus países.

Quanto mais o jogador marca gols, maior a chance de converter as suas penalidades: suas chances podem chegar a 80% se estiver com uma marca de 21 a 25 tentos.

Ainda assim, há uma nuance. Depois de um pênalti perdido, o próximo tiro se torna mais difícil devido à psicologia. Segundo as estatísticas, a probabilidade de erro aumenta a cada tiro perdido em sequência. Após uma penalidade perdida, um cobrador médio converte 76,42% das oportunidades. Se houver 2 erros consecutivos, a chance de marcar cai para 74,39%, enquanto após 3 erros consecutivos o número é 63,64%. Alguns jogadores conseguem lidar com esse tipo de pressão: Bafetimbi Gomis, do Galatasaray, é um exemplo perfeito. Após 3 erros consecutivos na temporada da Superliga, ele conseguiu marcar o seguinte. Outros continuam a falhar: Yannick Carrasco viu 2 de suas penalidades defendidas e outra acertando no poste. Ele seguiu essa sequência com um chute nas mãos do goleiro no jogo Atletico x Osasuna. Depois disso, o belga só cobrou novamente um ano depois, na Liga Chinesa.

A “regra” funciona também para o oposto. Quanto mais acumular acertos, maior a chance de acertar novamente.

Vamos dar uma olhada de perto na crença de que o jogador que sofreu o pênalti deveria cobrá-lo. Isso não é, necessariamente, a melhor opção. Na verdade, com certeza não é: o jogador que sofreu a falta tem 0,17% a menos de chance de sucesso. O número é de 75,33%. Um cobrador experiente é uma opção melhor – como já mencionamos, ele terá sucesso em 77,33% das chances.

PRA QUE DIREÇÃO VOCÊ DEVE MIRAR SUAS COBRANÇAS?

- LADO: esquerdo \ direito
- ALTURA: elevada

A melhor maneira de evitar um chute para fora ou na trave é direcionar seu chute para o meio do gol. Nesse cenário, a taxa de perda é de apenas 1,63%. Porém, chutando no meio crescem muito as chances de o goleiro defender – 21,28%. Muitos goleiros deixam seus pés no centro do gol, mesmo quando estão pulando para um dos cantos. Eles cobrem uma grande parte da zona inferior do gol quando fazem isso. Além disso, se um goleiro permanecer no meio, as chances de defesa são de 32.65%. Chutar em um dos cantos aumenta a chance de marcar dramaticamente.

Em parte, esse problema dos goleiros cobrindo muito espaço com seus pés poderia ser resolvido com um chute alto. Ainda assim, esse é o tipo de tiro mais arriscado. Se um cobrador pretender mandar a bola para o alto, mesmo que o goleiro fique no meio, a taxa de conversão é de apenas 71,51%. Cerca de 20,63% das cobranças acertam o travessão, enquanto 6,56% vão para fora.

Os chutes para o canto superior direito também são difíceis, com 21,99% dos tiros não convertidos (12,06% acertam o poste / travessão e 9,93% voam para longe). Surpreendentemente, chutes para o canto superior esquerdo têm uma chance muito melhor de entrar. Apenas 6,62% vão para fora e 9,68% acertam o poste/travessão. Esse é o tiro mais eficiente com uma taxa de conversão de 83,53%.

Há alguns jogadores notáveis ​​entre aqueles que optam por chutar no canto superior esquerdo: Cristiano Ronaldo, Zlatan Ibrahimovic, Sebastian Giovinco, Hulk, Harry Kane.

Nossa pesquisa também responde à seguinte pergunta: é indicado mandar um chute pra perto do poste? A resposta é não. A taxa de conversão é pouco alterada, enquanto os riscos de não marcar aumentam dramaticamente.

*Estabelecemos um critério separado para essas cobranças, com base em quais tiros se aproximam da trave ou travessão. Limitamos a zona de destino dos chutes – deve estar a 1 metro ou menos do poste. Para considerar que os chutes foram longe, a zona de pesquisa foi alargada também a 1 metro em torno dos postes e do travessão.

COMO É A MELHOR COBRANÇA DE PENALIDADE?

- Método: precisão
- Número da cobrança: 5 ou menos
- Velocidade de corrida: média

O método “chutão” é o menos confiável. Em 28% das ocasiões, não vira gol. Os tiros de “precisão” são muito mais eficientes: quanto mais suave a tacada, maior a chance de entrar.

Uma das formas de realizar uma defesa é prever a direção do chute na corrida do cobrador. Isso levou a uma senso comum: “quanto mais curta a corrida, mais difícil para um goleiro acertar a direção do tiro”. O português Pedro Pauleta e o argentino Diago Perotti estão entre os que cobram seus pênaltis quase sem correr.

Porém, os números indicam o contrário. Longos trajetos até a bola – com mais de 5 passos – aumentam as chances de marcar.

A corrida não deve ser rápida, caso contrário, a chance de marcar cai mais de 2%. O cobrador deve encontrar um meio termo para evitar erros como o de Simone Zaza na Euro-2016. O cobrador mais brilhante neste quesito é Paul Pogba – 11 dos 14 gols convertidos.

Durante a corrida, é melhor olhar para o goleiro, não se concentrando na bola como, por exemplo, Marcelo Brozovic, do Croatia NT. A chance de conversão aumenta quase 7%, ficando em 75,96%.

Com os olhos no goleiro, o atirador pode mudar de ideia em relação à colocação do chute durante sua corrida. É por isso que a velocidade e o número de passos são importantes. Os goleiros tomam mais gols quando a bola é direcionada para seus ombros esquerdos – 83,33%. A segunda área mais eficaz para cobradores é o joelho direito dos defensores: 75,00% para o joelho direito e 74,35% para o joelho esquerdo.

COBRANÇAS DE PÊNALTIS

O chute mais difícil – 3º

Independentemente do tipo de torneio: copa nacional, copa continental ou torneio internacional. A cobrança mais acertada é a 2ª, a menos – 3ª.

A infame cobrança de Roberto Baggio na Copa do Mundo de 1994 veio no quinto tiro. David Beckham perdeu o primeiro na partida entre Inglaterra e Portugal, na Eurocopa de 2004. Rui Costa falhou no terceiro. Na Copa do Mundo de 2014, a Holanda não conseguiu marcar no primeiro e terceiro tiros, permitindo que a Argentina chegasse às finais. Nas finais da Copa América de 2016, Arturo Vidal e Lionel Messi não conseguiram marcar nas cobranças de pênaltis antes de Lucas Biglia fechar o placar na quarta e última tentativa.

Se a série continuar depois dos 5 pênaltis para cada lado, a terceira cobrança também é a de menos sucesso. A 8ª cobrança, que é a 3ª pós 5 iniciais, não resultam em gols em 29,4% dos casos. Após a 12ª cobrança, os jogadores são muito afetados pela pressão psicológica. A taxa de conversão cai até a marca de 68,2%.

Quem começa, ganha

Os economistas espanhóis descobriram esta tese no ano de 2010 – quem começa costuma vencer. Eles analisaram 269 pênaltis. A pesquisa mostrou que a equipe que começa a série de cobranças vence em 60,5% das ocasiões. O número é bastante inflado, no entanto. O estudo da InStat mostra que, em 2.000 pênaltis, o time que começou batendo conseguiu vencer em apenas 51,48% das ocasiões.

A série inicial é mais difícil em 0,71%. Goleiros que iniciam no gol defendem 18,56% dos tiros. Seus colegas que vêm logo depois salvam 17,82% das tentativas.

GOLEIROS

O perfil ideal dos melhores defensores de pênalti

- Sexo: feminino 
- Idade: 30 a 31 anos 
- Pé / mão: indiferente
- Grupo de nacionalidade: América 
- Signo: Libra 
- Experiência: jogando com frequência

Mulheres defendem mais que homens

Como já mencionado, os homens marcaram 75,57% das penalidades, enquanto as mulheres conseguiram 73,65%. Portanto, 24,43% e 26,35% dos tiros foram perdidos. Falando sobre as defesas, as mulheres têm uma leve vantagem sobre os homens – 17,75% contra 17,55%.

Idade não importa

Os 5 melhores batedores têm 30 anos ou mais, enquanto entre os goleiros pode-se notar bastante dispersão nos números.

Pé / mão: a diferença é de 0,13%

Oficialmente, os destros se saem melhor que os canhotos. Mas a margem é tão pequena que se torna irrelevante.

Em grande parte, o valor das métricas de “canhoto / destro” perde muita força devido às 53,98% das defesas que são feitas com as duas mãos. Uma enorme vantagem dos destros pode ser vista apenas em termos de defesas com pés – 10,62% contra 5,31%.

Grupo de nacionalidade: América

Os goleiros da América do Norte e da América do Sul têm eficiência semelhante nas penalidades – 25,96%. Os africanos ficam em 3º com 25,41%.

Zodíaco: Libra

Leoninos nascem para penalidades. Eles são os melhores cobradores e os 2º melhores goleiros. Apenas Libras são melhores em defender – 25,67%. Aries é o terceiro melhor em ambas as categorias.

Experiência: quanto menos você joga, mais você sofre gols

Os goleiros fazem um trabalho melhor quando têm uma carga de trabalho regular. Isso é verdade para situações básicas no jogo, bem como para penalidades. Estatisticamente, os arqueiros que jogam pelo menos em 3 dos 4 jogos da equipe são mais confiáveis ​​do que outros. Eles salvam 18,18% das cobranças de pênalti, enquanto são os mais difíceis de marcar contra – 74,67%. Aqueles goleiros que não jogam muito sofrem penalidades em 76,06% dos casos.

Em penalidades durante os 90 minutos, é importante para o goleiro não espalmar a bola para frente, podendo ocasionar em gol na sequência.

A maioria dos goleiros se sai bem nesse quesito – 49,34% das defesas vão para o lado, 67,37% das defesas são controladas.

Em teoria, os defensores de penalidades experientes confiam mais em sua reação do que na sorte. Por isso, preferem reagir ao tiro e não mergulhar em um dos cantos tentando adivinhar. Estatísticas refletem isso: se o goleiro confiar em sua reação, as chances de defesa aumentam.

LIGAS E MELHOR DO MELHOR

Liga com melhores penalidades: Liga Japonesa (J1)

Quase 81% das penalidades no Japão estão sendo convertidas. O torneio mais próximo do top 5 da UEFA é o EPL com uma taxa de conversão de 77,53%. No total, há mais nove torneios entre os dois, o que significa que o campeonato inglês está fora do top-10 mundial.

Na classificação top 10 da UEFA, baseada em números até 26 de outubro de 2018, a Inglaterra é a melhor. A Espanha é apenas 6º na nossa tabela.

Top 10 equipes cujas penalidades são quase gol certo:

Melhores cobradores de pênalti:

Robert Lewandowski, Rickie Lambert e Max Kruse.

A seleção InStat inclui pênaltis de 2009 a 2018. É por isso que a classificação não menciona o lendário meio-campista do Southampton, Matthew Le Tissier. Ele é o primeiro meia a marcar 100 gols na EPL. Ao todo, Le Tissier marcou 209 golos, 48 ​​dos quais vieram de grandes penalidades. Ao longo de sua carreira, o inglês tentou 49 chutes, com uma única defesa sendo feita por Mark Crossley, do Nottingham Forest, em 1993.

Max Kruse é o melhor cobrador de pênaltis entre os jogadores ativos. Ao longo de sua carreira, ele tentou 24 vezes, sem falhar em nenhuma. Sua sequência continua por 6 anos: começou em 7 de abril de 2012 e segue até o momento do fechamento da pesquisa. Ricky Lambert uma vez marcou 30 pênaltis consecutivas – de 2 de maio de 2009 até 3 de agosto de 2014. Robert Lewandowski foi perfeito em 31 tentativas consecutivas – 8 de abril de 2015 a 17 de fevereiro de 2018.

NOSSA PESQUISA REPRODUZIADA PELO JORNAL MARCA:

Material original (em inglês):
—> CLIQUE AQUI.


Compartilhe
  • 28
    Shares

Você vai gostar disso